Última atualização: 17/09/2018 - 21:40

PALMEIRIM DE INGLATERRA I-II

AUTOR

FRANCISCO DE MORAES

BIOGRAFIA

Francisco de Moraes nasceu, provavelmente, em Bragança, donde o seu apelido era originário. 

ÁRVORE GENEALÓGICA

EDIÇÕES

PI I-II ca. 1544

ANO EDIÇÃO

ca. 1544

EDITOR

Não se conservam os fólios dos paratextos. Diz-se que poderá ter sido publicada em França, mas não há certeza disso. 

PARATEXTOS FRONTISPÍCIO

Não se conserva. 

PARATEXTOS PRÓLOGOS

Não se conserva. 

PARATEXTOS PRIVILÉGIOS

Não se conserva. 

PARATEXTOS LICENÇAS

Não se conservam. 

PARATEXTOS DEDICATÓRIA

Não se conserva. Desconhecemos se tinha ou não uma dedicatória. Esta devia ser, supostamente, a mesma de Francisco de Moraes à infanta D. Maria. 

PARATEXTOS CÓLOFON

Não se conversam os fólios finais do único exemplar conhecido. 

COMPOSIÇÕES POÉTICAS

composicoes-ca-1544.pdf

[147v] Triste vida se m´ordena,

pois quer vossa condição
que os males que dás por pena
me fiquem por galardão.

Desprezos e esquecimento
quem contr´eles se defende
não os sinte, ou não entende
onde chega seu tormento.
Mas pera quem sinte a pena,
inda é mor a sem-rezão
quererdes que o c´a morte ordena
se tome por galardão.

Já se vos vira contente
deste mal e outro maior
sei que m´ensinará o amor
a passá-lo levemente,
mas pois vossa condição
quer que em tudo sinta pena,
quero eu que o qu´ela ordena
me fique por galardão.

 

CARTAS

cartas-ca-1544.pdf

[240v] Carta de Floramão.

Quem recear vossos males vir-lh´á de não ser pera tanto bem como é tê-los de vós, pois o contentamento de os padecer por vossa causa faz terem em pouco algum dano se deles vêm. Mas a quem faleceo a esperança que lhos ajudava a passar, que lhe ficará pera poder viver senão o gosto de perder tudo por vós? Este só remédio me deixou minha ventura pera poder soster minha pena, que, se o não tivera, mal se podera passar. Se lá onde vós estais se costuma agradecer-se esta fé, mostrai-o em favorecer minhas obras quando em vosso serviço as virdes, qu´eu, de desesperado, d´outra satisfação desta só me contento, ou dai fim a minha vida pera poder ir onde com vos ver descanse do cuidado que vossa lembrança me deixou.

PROFECIAS

profecias-pi-i-ii-ca-1544.pdf

[10b] Carta da Dona do Lago das Três Fadas.

 

A ti, ó invencível e mui famoso Palmeirim, emperador de Grécia, eu, a Dona do Lago das Três Fadas, te digo que o donzel que hoje te foi trazido d´ambas as partes decende do sangue dos mais poderosos reis cristãos; trata-o como a grã príncipe, porque no tempo que tua coroa e real estado será posta no mais baxo assento da Fortuna, o tornará em mais alta grandeza do que nunca foi; e por ele serão restituídos em toda alegria os dous mais afortunados príncipes que agora estão sem ela.

PI I-II. Évora, André de Burgos, 1567

ANO EDIÇÃO

1567

EDITOR

André de Burgos. 

Espanhol de nascimento, André de Burgos trabalhou por terras hispalenses de 1542 a 1549. Ao que parece, o cardeal-infante D. Henrique foi quem o trouxe a Portugal, sob cujos auspícios se estabeleceu em Évora. Na opinião de Gonçalves , em 1559 foi condenado a um ano de desterro porque se dizia dele que ensenhava a fazer cartas de jugar; só lá esteve dois meses . As marcas de que se valeu foram, entre outras, a esfera armilar e o escudo das armas reais, com um grifo no timbre. Segundo Delgado Casado, o Andrés de Burgos que trabalha tipograficamente em Sevilha não é o mesmo que publica na cidade de Évora.

PARATEXTOS FRONTISPÍCIO

frontispicios-evora-andre-burgos-1567.pdf

 

[1r: frontispício] Cronica do famoso e muito esforçado cavaleiro Palmeirim d´Inglaterra, filho d´El-Rei dom Duardos, no qual se contam suas proezas, e de Floriano do Deserto, seu irmão, e algũas do príncipe Florendos, filho de Primalião.

Vai corregida e emendada nesta terceira impressão de alguns erros.
Impressa na cidade d´Évora, 1564

 

PARATEXTOS PRÓLOGOS

prologos-evora-andre-burgos-1567.pdf

 

[{1v}] Prólogo dirigido à ilustríssima e mui to esclarecida princesa dona Maria, ifante de Portugal, filha d´El-Rei dom Manoel e irmã d´El-Rei dom João Terceiro, que santa glória hajam.

Muita parte da honra dos príncipes, como diz Estrabo, está no louvor do povo, e parece rezão que seja assi, porque como a geralidade no bem dos maiores falesem, afeição é de crer que todos seus louvores têm o nacimento da vertude dos louvados, nos quais se manifesta que tais sejam os costumes, vida e obras daqueles a que louvam. Pois se por esta via o merecimento d´alguns príncipes ao longe resplandece e antre os humanos se celebra com encarecidas palavras, Vossa Alteza, mui esclarecida Princesa, assi antre os grandes como na gente geral do estado não será posta em esquecimento; que de tal calidade são vossas vertudes que com igoal afeição se pregoam. Isto não somente acontece aos naturais deste reino, de que vós sois filha, a que por ventura o amor da natureza e d´El-Rei, vosso irmão, por a esta obrigação. Mas inda nos reinos estranhos e mais remotos de nossa conversação e uso tendes o mesmo nome e a mesma fama. Porém, como louvar vossos custumes seja cousa tamanha, que enfraquece o engenho a quem se nisso mete, má desculpa teria se quisesse prosseguir matéria tão alta e perder-me no começo, mas a obrigação em que estou a Vossa Alteza, por filha da rainha cristianíssima de França, vossa mai, de que já recebi mercês, me faz algum tanto passar os limites do que minha autoridad em tal caso pode ter e desejar fazer algum serviço a Vossa Alteza, tal que quando não corresponder a Vossa Grandeza, seja igoal ao qu´eu posso.
Eu me achei em França os dias passados em serviço de dom Francisco de Noronha, embaixador d´El-Rei, nosso senhor, vosso irmão, que santa glória haja, onde li algũas crónicas francesas e ingresas. Antr´elas vi que as princesas e damas louvavam por estremo a de dom Duardos,  que nestas partes anda trasladada em castelhano e estimada de muitos. Isto me  moveo ver se acharia outra antigualha que podesse tresladar, pera o que conversey Alber de Renes em Paris, famoso cronista deste tempo, em cujo poder achei algũas  memórias de nações estranhas, e antr´elas a crónica de seu nacimento, que com assaz  trabalho a pude ler. Tresladei-a por me parecer que pola afeição de seu pai se estimaria em toda parte, e com desejo de a dirigir a Vossa Alteza, cousa que alguns hovieram por erro, afirmando que histórias vãs não hão de ter seu assento tão alto, fazendo da menor culpa maior inconviniente, não tendo respeito que às vezes escrito vai tresladada na verdade quanto às aventuras e acontecimentos.
Se tiver algũa falta, será na composição das palavras de que meu engenho carece. Traduzi-a  em português assi por me parecer que satisfaria vossa incrinação, como por não  ser dos que fazem o contrairo, querendo encobrir seus defeitos, tornando a culpa à rudeza de nossa língoa, que a meu juízo, polo que tenho visto, em copiosidade de palavras nenhũa da cristandade lhe faz vantage.
Se disto ou da obra alguns detractores mormurarem, não me queixarei. Queixem-se os sábios quando suas obras forem julgadas por pecos, que as minhas ninguém as pode tachar que as não entenda milhor qu´eu.

 

PARATEXTOS CÓLOFON

colofon-evora-andre-burgos-1567.pdf

 

[254v: cólofon] Foi impressa esta Crónica de Palmeirim de Inglaterra na mui nobre e sempre leal cidade de Évora, em casa de André de Burgos, impressor e cavaleiro da casa do Cardeal-Ifante.
Acabou-se a 25 dias do mês de junho, ano do nacimento de nosso señor Jesucristo de 1567.

 

COMPOSIÇÕES POÉTICAS

composicoes-evora-andre-burgos-1567.pdf

 

[135v] Triste vida se me ordena,
pois quer vossa condição
que os males que dais por pena
me fiquem por galardão!

Desprezos e esquecimento,
quem contra eles se defende
não os sinte ou não entende
onde chega seu tormento,
mas pera quem sinte a pena,
inda é mor a sem-rezão
quererdes que o c´a morte ordena
se tome por galardão.

Já se vos vira contente
deste mal e outro maior,
sei que me ensinará amor
a passá-lo levemente;
mas pois vossa condição
quer que em tudo sinta pena,
quero eu que o qu´ela ordena
me fique por galardão.

 

CARTAS

cartas-evora-andre-burgos-1567.pdf

 

[220v/a] Carta de Floramão:

Quem recear vossos males vir-lhe-á de não ser para tanto bem como é tê-los de vós, pois o contentamento de os padecer por vossa causa faz ter em pouco algum dano se deles vem. Mas a quem faleceo a esperança, que lhos ajudava a passar, que lhe ficará para poder viver se não o gosto de perder tudo por vós? Este só remédio me deixou minha ventura para poder soster minha pena, que, se o não tivera, mal se poderá passar. Se lá onde vós estais, se costuma agradecer-se esta fé, mostrai-o em favorecer minhas obras quando em vosso serviço as virdes, que eu, de desesperado de outra satisfação, desta só me contento; ou dai fim à minha vida para poder ir onde com vos ver descanse do cuidado que vossa lembrança me deixou.

PROFECIAS

profecias-pi-i-ii-evora-andre-burgos-1567.pdf

 

[9r/a] Carta da Dona do Lago das Três Fadas.

A ti, ó invencível e mui famoso Palmeirim, emperador de Grécia, eu, a Dona do Lago das Três Fadas, te digo que o donzel que hoje te foi trazido d´ambas as partes decende do sangue dos mais poderosos reis cristãos; trata-o como a grã príncipe, porque no tempo que tua coroa e real estado será posta no mais baxo assento da Fortuna, o tornará em mais alta grandeza do que nunca foi; e por ele serão restituídos em toda alegria os dous mais afortunados príncipes que agora estão sem ela.

 

PI I-II. Lisboa, António Álvarez,1592

ANO EDIÇÃO

1592

EDITOR

António Álvarez. 

António Álvarez teve sua actividade em Lisboa entre 1588 e 1600. Em 1597 trabalhou em Alcobaça junto de Alexandre de Siqueira. Também colaborou com Marcos Borges, António Ribeiro e Jorge Rodrigues. Exerceu como impressor do arcebispo D. Miguel de Castro. Segundo António Joaquim Anselmo , imprimiu perto de 50 obras em carácter romano e não usou nenhuma marca. De acordo com a opinião de Loff , os seus trabalhos não se caracterizam pela sua perfeição.

PARATEXTOS FRONTISPÍCIO

frontispicios-lisboa-antonio-alvarez-custa-afonso-lopes-e-afonso-fernandes1592.pdf

Palmeirim de Inglaterra (Parte I-II) 1592- Frontispício

 


[{1r}: frontispício] Primeira Parte de Palmeirim de Inglaterra.

Dirigida ao Sereníssimo príncipe Alberto, Cardeal, Archiduque de Áustria, etc.

Crónica do famoso e muito esforçado cavaleiro Palmeirim de Inglaterra, filho d´El-Rei dom Duardos, no qual se contêm suas proezas, e de Floriano do Deserto, seu irmão, e do príncipe Florendos, filho de Primalião.

Composta por Francisco de Moraes. Agora novamente impressa com licença da Santa Inquisição e ordinário.

Em Lisboa, por António Álvarez, à custa de Afonso López Ruiz, moço da câmara d´El-Rei, nosso senhor, e de Afonso Fernández, livreiro defronte da Misericórdia.

Com Privilégio Real. Ano de 1592.

PARATEXTOS PRÓLOGOS

prologos-pi-i-ii-lisboa-antonio-alvarez1592.pdf

Palmeirim de Inglaterra (Parte I) 1592- Prólogo

 

[{1r}] Prólogo de Francisco de Moraes, autor do livro, dirigido a Ilustríssima e muito esclarecida princesa dona Maria, ifante de Portugal, filha d´El-Rei dom Manuel, que santa glória haja, e irmã d´El-Rei, nosso senhor.

 

Muita parte da honra dos Príncipes, como diz Estrabo, está no louvor do povo, e parece razão que seja assi, porque, como a generalidade no bem dos maiores fale sem afeição, é de crer que todos seus louvores têm o nacimento da virtude dos louvados, nos quais se manifesta que tais sejam os costumes, vida e obras daqueles que louvam. Pois, se, por esta via, o merecimento d´alguns príncipes ao longe resplandece e antre os humanos se celebra com encarecidas palavras, Vossa Alteza, mui esclarecida Princesa, assi entre os grandes como na gente do geral estado, não será posta em esquecimento, que de tal calidade são vossas virtudes, que com igual afeição se pregoam. Isto não somente acontece aos naturais deste reino, de que vós sois filha, a que, por ventura, o amor da natureza e d´El-Rei, nosso senhor e vosso irmão, porá esta obrigação, mas ainda nos reinos estranhos e mais remotos de nossa conversação e uso tendes o mesmo nome e a mesma fama. Porém, como louvar vossos costumes seja cousa tamanha que enfraquece o ingenho a quem nisso mete mão, desculpa teria se quisesse prosseguir matéria tão alta e perder-me no começo. Mas a obrigação em que estou a Vossa Alteza, por filha da Rainha Cristianíssima de França, vossa mãi, de que já recebi mercês, me faz algum tanto passar os limites do que minha autoridade em tal caso pode ter e desejar fazer algum serviço a Vossa Alteza, tal que quando não corresponder a Vossa Grandeza, seja igual ao que eu posso.
Eu me achei em França os dias passados em serviço de dom Francisco de Noronha, embaixador d´El-Rei, nosso senhor e vosso irmão, onde vi algũas crónicas francesas e ingresas. Entre elas vi que as princesas e damas louvavam por estremo a de Dom Duardos, que nestas partes anda tresladada em castelhano e estimada de muitos. Isto me moveo ver se acharia outra antigualha que podesse tresladar, para que conversei Alber de Renes, em Paris, famoso cronista deste tempo, em cujo poder achei algũas memórias de nações estranhas, e antre elas, a Crónica de Palmeirim de Inglaterra, filho de dom Duardos, tão gastada da antiguidade de seu nacimento, que com assaz trabalho a pude ler. Trasladei-a por me parecer que pola afeição de seu pai se estimaria em toda parte, e com desejo de a derigir a Vossa Alteza, cousa que alguns houverão por erro, afirmando que histórias vãs não hão de ter seu assento tão alto, fazendo da menor culpa maior inconveniente, não tendo respeito que às vezes escrituras de leve fundamento têm palavras, costumes e feitos de que nace algum fruto, vai tresladada na verdade quanto às aventuras e acontecimentos. Se tiver algũa falta será na composição das palavras, de que meu engenho carece. Traduzi-a em português, assi por me parecer que sastifaria vossa inclinação, como por não ser dos que fazem o contrairo querendo encubrir seus defeitos, tornando a culpa na rudeza de nossa língoa, que a meu juízo, polo que tenho visto, em copiosidade de palavras nenhũa da cristandade lhe faz ventaje. Se disto ou da outra alguns detractores murmurarem, não me quexare, quexem-se os sábios quando suas obras forem julgadas por pecos, que as minhas ninguém as pode tachar que as não entenda milhor que eu.
Vista a informação do padre revedor, pode correr este livro.

Em Lisboa, de Abril de 1592. António de Mendoça. Diogo de Sousa. O mesmo digo, etc. 2 de Abril de 1592. Cristoforus.

PARATEXTOS LICENÇAS

licencas-lisboa-antonio-alvarez-custa-afonso-lopes-e-afonso-fernandes1592.pdf

 

[{1v}: licenças] Eu, El-Rei, faço saber aos que este alvará virem que, havendo respeito ao que diz na petição atrás escrita de Gregório de Moraesm cavaleiro fidalgo de minha casa, hei por bem e me praz que por tempo de dez anos imprimidor nem livreiro algum, nem outra pessoa de qualquer calidade que seja, não possa imprimir nem vender em todos meus reinos e senhorios nem trazer de fora deles o livro de que na dita petição faz menção senão aqueles livreiros e pessoas que para isso tiverem licença do dito Gregório de Moraes, e qualquer imprimidor, livreiro ou pessoa que, durando os ditos dez anos imprimir ou vender o dito livro, ou algũa das quatro partes dele nos ditos meus reinos, ou o trouxer de fora deles sem licença do dito Gregório de Moraes, perderá para ele todos os volumes que assi imprimir, vender ou de fora trouxer e, além disso, encorrerá em pena de vinte cruzados, a metade para minha câmara e a outra ametade para quem acusar. E isto me praz assi, tendo ele licença do Conselho Geral da Inquisição para imprimir o dito livro. E mando a todas minhas justiças e oficiaes a que o conhecimento disto pertencer, que lhe cumpram, guardem e façam cumprir e guardar este alvará como se nele contém; o qual hei por bem que valha e tenha força e vigor, posto que o efeito dele haja de durar mais de um ano sem embargo da Ordenação do Segundo livro, Título Vinte, que o contrairo despoem.
João da Costa o fez.
Em Lisboa, a 11 de julho de 1588. Rei. O Bispo de Leiria.

 

[{1v}: aprobação] Há Sua Magestade por bem que, por tempo de dez anos, não possa pessoa algũa imprimir nem vender em todos seus reinos e senhorios de Portugal, nem trazer de fora deles o livro de que Gregório de Moraes faz menção na petição atrás, nem nenhũa das quatro partes dele, senão quem pera isso tiver licença do dito Gregório de Moraes e com as penas que acima se contêm, e este valha posto que o feito dele haja de durar mais de um ano.

PARATEXTOS DEDICATÓRIA

dedicatoria-lisboa-antonio-alvarez-custa-afonso-lopes-e-afonso-fernandes1592.pdf

[{1v}] Ao se[re]níssimo príncipe Alberto, Cardeal-Archiduque de Áustria, etc.

 

Obrigação, mui grande sereníssimo Príncipe, tem esta cidade de Lisboa e seus moradores, grandes e pequenos, de servirmos perpetuamente a Vossa Alteza, assi pola justiça e paz em que nos governa, como pola assinalada mercê que nos fez os dias passados em nos defender de um tão poderoso exército de hereges, que nos veo bater às portas, pondo Vossa Alteza sua própria saúde e vida em perigo por nos defender as nossas. Polo que, sem dúvida algũa, a Vossa Alteza deve Lisboa a conservação dos seus edifícios, os religiosos e religiosas a quietação, as igrejas os seus ornamentos e culto divino, e nós todos a Pátria, filhos e fazenda.
Enfim, que não há cousa nela onde, com muita razão, se não represente à gente agradecida ũa memória viva desta comum mercê, porque, que menos se podia esperar de imigos tão aparelhados e desejosos de pôr tudo a fogo e a ferro, e de cidade tão aberta e desapercebida senão muitas mortes e muita destruição? Do que tudo nos livrou a presença de Vossa Alteza, seu esforço e governo, com que aos cobardes deu exemplo para não fugir, aos fracos ânimo pera peleijar, aos desacordados conselho pera reger; com as quaes cousas alcançou Vossa Alteza não somente entre a nação portuguesa, que lhe é tão afeiçoada, mas entre todas as outras, onde a fama deste feito chegou, glorioso nome, não só de Principe prudentíssimo, mas de muito esforçado capitão. E com muita razão podem dizer os portugueses por Vossa Alteza, na defensão e conservação de Lisboa, o que Énio disse por Fábio Máximo na vitória de Aníbal: «Qui nobis cunctando restituis rem», pois só achar-se Vossa Alteza nela e não a desemparar em tão evidente perigo lhe valeo mais que os seus muros, torres e baluartes. E assi confessarão sempre os seus moradores que, se têm muita obrigação a El-Rei dom Afonso Enríquez pera tomar aos mouros, não a têm menor a Vossa Alteza por a defender dos hereges. E porque de todos aqueles que neste perigo nos achámos e fomos participantes desta mercê, haverá muitos que tenham feitos serviços a Vossa Alteza pera se mostrarem agradecidos como devem, e eu não tenho pera isso mais poder que desejá-lo, lembrando-me que a natureza e condição dos Príncipes é estimar mais a vontade que o presente que se lhe oferece, determinei, nesta segunda impressão, dedicar a Vossa Alteza este livro de Palmeirim de Inglaterra, que, posto que seja fabuloso, e por isso alheo da profissão de Vossa Alteza, que gasta o tempo que lhe resta do governo destes reinos de Portugal na lição das divinas letras e sagrada teologia, contém em si boas sentenças e elegante estilo, pelas quais razões a Sereníssima Ifante dona Maria, que hoje está no céo, tão chea de glória como na terra o foi de virtudes, o recebeo e estimou muito, sendo-lhe dedicado a primeira vez polo autor dele, o que também me deu atrevimento ao dirigir a Vossa Alteza, parecendo-me que se fazia agravo a tão excelente Princesa se se dedicasse a outrem em quem não houvesse as mesmas calidades que nela houve.
E assi, por isto, como por ir emendado pelo padre revedor dos livros, o ofereço com maior confiança a Vossa Alteza, pois nele não vai palavra algũa que possa ofender os bons costumes e honestidade cristã. Nosso Senhor a vida e estado de Vossa Alteza prospere e aumente por muito largos anos.

 

Afonso Fernandez, livreiro

PARATEXTOS CÓLOFON

Não tem. 

COMPOSIÇÕES POÉTICAS

composicoes-lisboa-antonio-alvarez-custa-afonso-lopes-e-afonso-fernandes1592.pdf

 

[125v/a] Triste vida se me ordena,
pois quer vossa condição
que os males que dais por pena
me fiquem por galardão!

[125v/b] Desprezos e esquecimento,
quem contra eles se defende
não o sinte, o não entende
onde chega seu tormento;
mais, pera quem sinte a pena,
inda é mor a sem-rezão
quererdes que o c´a morte ordena
se tome por galardão!

Já se vos vira contente,
deste mal e outro maior
sei que me ensinará amor
a passá-lo levemente;
mas pois vossa condição
quer que em tudo sinta pena,
quero eu que o qu´ela ordena
me fique por galardão.

 

CARTAS

cartas-lisboa-antonio-alvarez-custa-afonso-lopes-e-afonso-fernandes1592.pdf

 

[209r/a] Carta de Floramão:

 

Quem recear vossos males vir-lhe-á de não ser para tanto bem como é tê-los de vós, pois o contentamento de os padecer por vossa causa faz ter em pouco algum dano se deles vem. Mas a quem faleceo a esperança, que lhos ajudava a passar, que lhe ficará para poder viver se não o gosto de perder tudo por vós? Este só remédio me deixou minha ventura, para poder soster minha pena, que, se o não tivera, mal se poderá passar. Se lá, onde vós estais, se costuma agradecer-se esta fé, mostrai-o em favorecer minhas obras quando em vosso serviço as virdes, que eu, desesperado de outra satisfação, desta só me contento; ou dai fim à minha vida para poder ir, onde com vos ver descanse do cuidado que vossa lembrança me deixou.

 

PROFECIAS

profecias-pi-i-ii-lisboa-antonio-alvarez1592.pdf

 

[7r/b] Carta da Dona do Lago das Três Fadas.

A ti, ó invencível e mui famoso Palmeirim, emperador de Grécia, eu, a Dona do Lago das Três Fadas, te digo que o donzel que hoje te foi trazido d´ambas as partes decende dos mais poderosos reis cristãos; trata-o como a grã príncipe, porque no tempo que tua coroa e real estado será posta no mais baxo assento da Fortuna, o tornará em mais alta grandeza do que nunca foi; e por ele serão restituídos em toda alegria os dous mais afortunados príncipes que agora estão sem ela.

 

 

ÍNDICE DE CAPÍTULOS (TEXTO): 

 

I. De como saindo dom Duardos a caçar à Floresta do Deserto se perdeo e foi ter à torre de Dramusiando, onde por engano foi preso.

II. Quem era o gigante em cujo poder dom Duardos estava.

III. Do que aconteceo a Flérida vendo que dom Duardos nam vinha.

IV. Dos grandes prantos que se fezeram na cidade de Londres pola perda de dom Duardos.

V. Do que o Salvaje fez dos ifantes que levou. E como Argolante chegou a Costantinopla.

VI. Do que aconteceo a Primaliam na busca de dom Duardos.

VII. Em que diz a rezam porque Paudricia fazia aquela vida. E da dos infantes da cova.

VIII. Do que o salvaje fez vendo a tardança de Deserto.

IX. Do que aconteceo a Vernao príncipe d’Alemanha na Floresta Desastrada em Inglaterra com outro cavaleiro.

X. Do que o gigante Dramusiando fazia no seu castelo pera se fortalecer, e de como Primaliam foi ter a ele, e do que mais passou.

XI. De como o Emperador de Grecia armou cavaleiro a Palmeirim e todolos donzeles da corte.

XII. De como tornearom aquele dia e do que aconteceo com dous cavaleiros dhũas armas verdes que ao torneo vierom.

XIII. De como veo à corte do Emperador hũa donzela queixando-se do Cavaleiro do Salvaje, e do que nisso passou.

XIV. Quem era o sabio Daliarte do Vale Escuro.

XV. Em que torna a dar conta do que aconteceo a Belcar e Vernao depois que foram sãos das feridas que houveram na batalha da floresta.

XVI. Do que aconteceo al rei Recindos de Espanha e Arnedos rei de França, com outros dous cavaleiros na fortaleza de Dramusiando.

XVII. Da fala que Palmeirim fez a Polinarda, e como se partio da corte.

XVIII. Como Palmeirim d’Inglaterra se foi da corte chamando-se o Cavaleiro da Fortuna e o que passou.

XIX. Em que dá conta quem era este cavaleiro que o da Fortuna ali topou, e porque vivia em tal lugar.

XX. Do que aconteceo ao Cavaleiro da Fortuna no passo da ponte.

XXI. Do que aconteceo ao Cavaleiro do Salvaje no Vale Descontente com outro que o guardava.

XXII. De como Floramam príncipe de Cerdenha veo à corte do emperador Palmeirim e do que nela passou.

XXIII. Do que passou o segundo dia nas justas de Floramam.

XXIV. Do que aconteceo ao Cavaleiro da Fortuna depois de se apartar de Pompides.

XXV. Como o cavaleiro da Fortuna soube por hũa donzela as novas da corte e do que fez.

XXVI. Como aquela noite houve serão, e ao outro dia a Emperatriz veo a ver a tenda de Floramam.

XXVII. Do que aconteceo ao Cavaleiro do Salvaje depois que se apartou de Blandidom no reino de Lacedemónia.

XXVIII. Como as donzelas acodirom ao Cavaleiro do Salvaje, e com sua ajuda foi são.

XXIX. Como à corte do Emperador veo ter a donzela Lucenda e das novas que deu.

XXX. Do desafio que houve Tremoram com um cavaleiro estranho sobre o da Fortuna.

XXXI. Do que aconteceo ao Cavaleiro da Fortuna na viajem d’Inglaterra.

XXXII. Do que fez o Cavaleiro da Fortuna depois que saío de casa do salvaje.

XXXIII. Como o Cavaleiro da Fortuna encontrou com Daliarte do Vale Escuro, e perdeo o seu escudo da palma.

XXXIV. Como o Cavaleiro do Salvaje veo aa corte de Inglaterra, e do que mais lhe aconteceo.

XXXV. Como Daliarte mandou curar Platir e os outros cavaleiros, e o da Fortuna se despidio dele.

XXXVI. Como o Cavaleiro da Fortuna entrou em Londres, e do que passou antr’ele e o Cavaleiro do Salvaje.

XXXVII. Em que diz quem era a dona que à corte trouve o Cavaleiro da Fortuna, e do que passarom alguns cavaleiros qu’estavam na corte d’Inglaterra.

XXXVIII. Da cruel batalha qu’estes cavaleiros passarom e do fim que houve.

XXXIX. Do que fez Eutropa depois da prisam daqueles cavaleiros e de como veo o Cavaleiro do Salvaje à Torre do Gigante.

XL. Do que passou o Cavaleiro da Fortuna depois que foi são das feridas que recebeo em a cidade de Londres quando se combateo com o valente Cavaleiro do Salvaje.

XLI. Do que passou o Cavaleiro da Fortuna depois que s’apartou de dom Rosiram.


Segunda parte

XLII. Como o príncipe Floramam por conselho daqueles cavaleiros partio pera Londres, vesitar el-Rei e Flérida.

XLIII. De como aqueles senhores se partirom pera Londres e do que fez Eutropa.

XLIV. Como Trineo emperador d’Alemanha veo à corte d’Inglaterra e das festas que houve nela.

XLV. Como Argolante chegou a casa do Emperador de Costantinopla e lhe deu sua embaixada.

XLVI. Do famoso torneo que antre aqueles cavaleiros se fez.

XLVII. Como se conhecerom os três cavaleiros que vierom ao torneo, e como se soube de Palmeirim e seu irmão cujos filhos eram.

XLVIII. Como se soube quem era Blandidom, Pompides e Daliarte, e o Emperador e reis se partirom da corte.

XLIX. Como aqueles senhores chegarom aa fortaleza do gigante Dramusiando e o que lá lhe aconteceo.

L. Como acabadas as justas entrarom todos na torre e do que lá passarom.

LI. Do que aconteceo ao cavaleiro que justou na ponte, que agora se chama por outro nome o Cavaleiro Triste, com Primaliam no Vale Descontente.

LII. Do que passou Primaliam com Paudricia, e como foi a Costantinopla, donde veo nova que a frota do Soldam de Babilonia era desfeita.

LIII. Em que torna a dar conta do Cavaleiro Triste.

LIV. Como Palmeirim se saío da corte de Inglaterra e do que lhe aconteceo.

LV. Em que da conta de quem eram as donzelas e de como ali vierom ter.

LVI. Do que aconteceo a Palmeirim d’Inglaterra depois que se apartou de Graciano, Platir e Floramam.

LVII. Do que Palmeirim passou na fonte co’as alimárias que a goardavam, e do mais que ali fez.

LVIII. Como Palmeirim entrou no castelo e o que lhe aconteceo.

LIX. Do que Palmeirim fez naquele castelo, e como ali veo ter Franciam o Músico, e Onistaldo e como se partiram.

LX. Como Palmeirim veo ter ao castelo d’Almourol e do que nele passou.

LXI. Como o Cavaleiro Triste se saio do castelo d’Almourol e do que mais passou.

LXII. Como o gigante Dramusiando veo ter ao castelo d’Almourol e do que nele passou.

LXIII. Do que aconteceo ao gigante Dramusiando na goarda do castelo d’Almourol.

LXIV. Do que aconteceo a Palmeirim na via de Costantinopla.

LXV. Do que fez o Cavaleiro do Salvaje na corte d’Inglaterra antes que dela saísse, e do mais que lhe aconteceo saindo buscar as aventuras.

LXVI. Do que a Floriano aconteceo seguindo suas jornadas depois de ser são de suas feridas.

LXVII. Do que aconteceo a estos três cavaleiros no passo dhũa floresta.

LXVIII. Do que passou Palmeirim d’Inglaterra em companhia da donzela.

LXIX. Como Palmeirim se combateo com os guardadores da fortaleza segundo a ordenança dela.

LXX. De como Palmeirim casou o Duque e seus hirmãos co’as três donzelas, e como ali veo ter Floriano e Pompides.

LXXI. Como veio ter ao castelo d’Almourol um Cavaleiro que furtou o escudo do vulto de Miraguarda.

LXXII. Como no castelo d’Almourol se achou menos o escudo de Miraguarda e do que sobr’isso se fez.

LXXIII. Em que dá conta de quem era o Cavaleiro que estava em companhia de Florendos, e como por um desastre se apartarom.

LXXIV. Em que diz cuja era a fortaleza em que se Albaizar combateo e a rezam do costume dela, e o que passou Florendos no batel.

LXXV. Como Palmeirim, Floriano e Pompides foram ter à fortaleza de Dramorante o Cruel e o que fizeram.

LXXVI. Como Floriano e Albaizar se desafiarom pera a corte do Emperador.

LXXVII. Do que aconteceo a Floriano do Deserto na aventura do corpo morto que nas andas hia.

LXXVIII. Do que aconteceo a Palmeirim d’Inglaterra depois que se apartou de Florendos no vale onde o achou queixando-se da Fortuna.

LXXIX. Em que dá conta de quem era o gigante Bracandor e a rezam porque ali veo ter.

LXXX. Como Floriano do Deserto foi ter à corte do Gram Turco e da batalha que ouve com Auderramete.

LXXXI. De como Palmeirim socorreo a Dramusiando e Florendos que andavam ambos em batalha.

LXXXII. Como à corte do emperador Palmeirim chegou Albaizar e das condições com que pôs sua aventura.

LXXXIII. Das justas que ouve o primeiro dia.

LXXXIV. Do que aconteceo nas justas o sexto dia.

LXXXV. Como tornou Albaizar depois de são a suas justas, e dos muitos cavaleiros que nela[s] venceo.

LXXXVI. Do que aconteceo a Floriano do Deserto estando na corte do Gram Turco.

LXXXVII. Do que aconteceo a Floriano saindo do vale onde venceo os quatro cavaleiros.

LXXXVIII. Em que dá conta de quem era o que levou Targiana e o que lhe aconteceo co’ela.

LXXXIX. Como o Cavaleiro das Armas Negras se combateo com Albaizar.

XC. De hũa aventura que a donzela de Tracia trouve à corte.

XCI. Dos que provarom a aventura da copa e do que nisso fizerom.

XCII. De como Florendos e Albaizar provarom a aventura da copa e Palmeirim e Floriano vierom à corte.

XCIII. Dhũa grande aventura que veo ter aa corte do Emperador e do que nela socedeo.

XCIV. Da temerosa batalha que estes cavaleiros houverom e do fim dela.

XCV. Do que se passou na corte do Emperador depois da batalha dos gigantes.

XCVI. Do que passou el rei Polendos de Tessália na viajem de Targiana filha do gram Turco, e o que aconteceo a Florendos na fortaleza de Astribor.

XCVII. Do que passou Palmeirim em companhia da donzela de Tracia.

XCVIII. Do que aconteceo a Palmeirim no encantamento de Lionarda, princesa de Trácia.

XCIX. Do mais que Palmeirim passou nesta aventura de Lionarda.

C. De como o encantamento de Lionarda foi quebrado e ela tirada dele.

CI. Do que Palmeirim passou na corte de Trácia os dias que nela esteve.

CII. Do que aconteceo a Florendos depois que saio da fortaleza de Dramorante o Cruel.

CIII. Do que aconteceo a Florendos saindo do castelo de Arnalta.

CIV. Da embaixada que a donzela de Trácia levou aa corte do Emperador e do que aconteceo ao Cavaleiro do Tigre.

CV. Do que o Cavaleiro do Tigre passou com os cavaleiros que iam em busca da donzela.

CVI. Do que aconteceo ao Cavaleiro do Salvaje depois de se partir da corte do emperador Vernao.

CVII. Do que aconteceo ao Cavaleiro do Salvaje antes que se apartasse da donzela.

CVIII. De como os cavaleiros dos gigantes entregarom os castelos ao Cavaleiro do Salvaje e do que passou Florendos na chegada do castelo d’Almourol.

CIX. Da batalha que Florendos houve sobre o escudo de Miraguarda ao segundo dia que ali chegou.

CX. Da aventura que veo ter ao castelo d’Almourol e do que Florendos fez nela.

CXI. Em que da conta quem era o cavaleiro d’Arnalta e a rezam por que ali veo ter, e da entrada de Lionarda na corte do emperador Palmeirim.

CXII. Do recebimento que se fez a Lionarda em Costantinopla.

CXIII. De hũa aventura que veo à corte do Emperador e do que nela sucedeo.

CXIV. Em que dá conta de quem era esta donzela, e o que passarom em sua viajem.

CXV. Do que aconteceo ao Cavaleiro do Tigre naquela aventura.

CXVI. Do que aconteceo ao Cavaleiro do Salvaje saindo em terra.

CXVII. Do que passou o Cavaleiro do Salvaje com suas donzellas indo pera a corte d’Espanha, e do que aconteceo ao Cavaleiro do Tigre na viajem da Ilha Profunda.

CXVIII. Da batalha que houve antre o gigante Pavoroso e o Cavaleiro do Tigre e os outros três de cada parte.

CXIX. Do que o Cavaleiro do Tigre fez antes que se partisse da ilha.

CXX. Do mais que o Cavaleiro do Tigre passou na Ilha Perigosa.

CXXI. De como Alfernao chegou aa corte de Costantinopla e do que passou nela.

CXXII. De como vierom os prisioneiros qu’estavam em poder do Turco, e el-rei Recindos soltou Albaizar.

CXXIII. De como o Cavaleiro do Salvaje acompanhado de suas donzelas chegou aa corte d’Espanha, e do que nela passou com Albaizar.

CXXIV. Das grandes justas que antre o Cavaleiro das Donzelas e Albaizar houve.

CXXV. Do que aconteceo ao Cavaleiro das Donzelas indo pera o castelo d’Almourol.

CXXVI. Como Trofolante e os outros chegaram aa corte de Espanha, e o Cavaleiro das Donzelas ao castelo d’Almourol.

CXXVII. Das justas que houve antre o Cavaleiro da Donzelas e o guardador do vulto de Miraguarda, e da batalha que se fez antr’ele e Almourol.

CXXVIII. Do que aconteceo ao Cavaleiro das Donzelas caminhando pera a corte d’Espanha.

CXXIX. Do que passou Florendos com o cavaleiro vencido, e como chegarom à corte d’Espanha os cavaleiros vencidos do das Donzelas, e o que mais passarom.

CXXX. Do que aconteceo ao Cavaleiro do Salvaje no reino de Navarra no castelo da princesa Arnalta.

CXXXI. Como Albaizar se presentou à Rainha de Trácia e se embarcou pera Turquia.

CXXXII. Do que passou o Cavaleiro do Tigre na viajem de Costantinopla depois que partio da Ilha Perigosa.

CXXXIII. Como o Cavaleiro do Tigre se despedio d’Armisia e d’el Rei seu pai e o que passou em sua viajem.

CXXXIV. Como o Cavaleiro do Tigre chegou aa corte do Emperador e dhũa aventura que nela houve.

CXXXV. Da fala que Palmeirim passou com sua senhora.

CXXXVI. Em que da conta da vinda d’alguns cavaleiros à corte e das novas que vierom da frota dos turcos.

CXXXVII. Da aventura que nestes dias houve no reino de França e do modo dela.

CXXXVIII. Do que aconteceo a alguns cavaleiros nesta aventura das quatro damas.

CXXXIX. Do que aconteceo ao Cavaleiro do Salvaje na aventura das quatro damas passando polo reino de França.

CXL. Do que passou o Cavaleiro Estranho nas justas que fez por Latranja.

CXLI. Do que passou o Cavaleiro Estranho nos primeiros dias de suas justas.

CXLII. Do que o Cavaleiro Estranho aquela noite passou no campo.

CXLIII. Do que passou o Cavaleiro Estranho na guarda do vale o segundo dia.

CXLIV. Do que passou o Cavaleiro do Vale na guarda dele o terceiro e o quarto dia.

CXLV. Do que aconteceo aquela noite ao Cavaleiro do Vale e o que passou na batalha do Cavaleiro da Espera.

CXLVI. Do mais que o cavaleiro passou ao outro dia na guarda do vale.

CXLVII. Do que o Cavaleiro Estranho passou o derradeiro dia da guarda de Torsi e do mais que passou.

CXLVIII. Em que da conta dhũa aventura que passou o Cavaleiro do Salvaje antes de chegar a Costantinopla.

CXLIX. Como ao outro dia o Cavaleiro do Salvaje chegou aa corte, e como veo a ela Dragonalte e Arnalta, reis de Navarra.

CL. Como a rogo do Emperador vierom aa corte Arnedos rei de França, Recindos rei d’Espanha com suas molheres e Recindos trouve consigo Miraguarda e o gigante Almourol.

CLI. Da fala que o Emperador fez a todos estes principes e de como se ordenarom os casamentos.

CLII. Como se fez christão o soldam Belagriz e se fizerom os recebimentos seu e dos outros principes.

CLIII. Das festas qu’em Costantinopla se faziam, e como no fim delas a rainha de Tracia foi levada por hũa grande aventura.

CLIV. Do que o Cavaleiro do Salvaje passou na aventura da Rainha de Tracia sua molher.

CLV. Como com ajuda de Daliarte o Cavaleiro do Salvaje cobrou a Rainha de Tracia sua molher.

CLVI. Do que se fazia em Costantinopla, e de como Targiana mandou aa corte a nova da vinda dos imigos.

CLVII. Do mais que o Emperador fazia pera goarda de sua terra.

CLVIII. Como a frota dos imigos chegou ao porto, e a contenda que houve sobre o desembarcar.

CLIX. Do sentimento que houve em Costantinopla da desposiçam de Dramusiando e como os imigos assentarom seu arraial.

CLX. Do que Albaizar fez acabado d’assentar seu arraial, e das ajudas que vierom ao Emperador.

CLXI. Dhũa aventura que aconteceo com a vinda dum cavaleiro estranho que trazia consigo hũa dona.

CLXII. Em que dá conta da maneira da vinda de Floriano e d’outras cousas que socederom.

CLXIII. Como se fez a batalha dos doze por doze, e as damas a mandarom cessar levando os christãos o milhor dela.

CLXIV. Da batalha que passou antre Dramusiando e Framustante.

CLXV. Da batalha que houve antre os turcos e christãos e do que dela sucedeo.

CLXVI. Como se deu a primeira batalha dos grandes acontecimentos e desaventuras dela.

CLXVII. Do que passou na cidade passada esta primeira batalha, e a morte do Emperador.

CLXVIII. Do que se fez antes de dar a segunda batalha e dos grandes acontecimentos que houve na cidade.

CLXIX. Do que sucedeo na segunda batalha.

CLXX. Como Daliarte veo ao campo buscar os mortos pera lhe dar sepultura e do mais que se fez.

CLXXI. Do conselho que Daliarte deu aos da terra, e como levou o corpo do emperador Palmeirim aa Ilha Perigosa, e dos príncipes feridos.

CLXXII. Das obsequias que fizeram na ilha pelos mortos, e o que mais se ordenou na criaçam dos príncipes.

 

ÍNDICE DE CAPÍTULOS (ARCHIVO): 
ÁRVORE GENEALÓGICA DE PERSONAGENS (ARCHIVO):